Castanhos


Cinco e meia da manhã e encontrei comigo mesma no espelho iluminado do banheiro. Outra vez não era noite nem dia, era a minha hora. A hora do que está por vir e talvez pela primeira vez eu não tenha a menor ideia do que virá.
Olhei para bancada da pia. A marca habitual de creme dental, os mesmos sabonetes, loções e xampus. O mesmo perfume, o cheiro da minha avó.
Olhei novamente para o espelho e perguntei: ” Ainda sou eu aqui?”.
Tudo a minha volta dizia que sim, mas a imagem no espelho gritava que não.


Quem é a forasteira?
Pálida imagem daquela que fui ou suave esboço daquela que serei?
Serei? — pensei eu.
Ainda existe indicativo quando tudo no mundo está tão subjuntivo?


As perguntas congelaram a imagem aprisionada no reflexo, enquanto eu procurava algo familiar, algo que me trouxesse novamente para o momento presente. É aqui que precisava estar; nem aquém, nem além.
Os fios de cabelo branco, os três furos em cada orelha, o sinalzinho perto da boca, que é igual ao do meu pai.


Estava tudo ali, mas nem isso me fez emergir do momentâneo torpor.
Onde está a Rosa dos Ventos? Para onde foi a Flor do Tempo?
Aproximei-me do espelho, já sem muita esperança de encontrar alguma cor. Mas sempre há cor enquanto há vida, não é verdade?


No fundo dos meus olhos eu vi o reflexo do sol. Vi os olhos dos meus filhos. Vi os olhos da ancestral distante que não conheci, mas que sei, correu livre pelas paisagens alentejanas.
As nozes e avelãs, o mel suave de eucalipto, o pinhão, o pelo do cavalo crioulo colorado — eis-me ali, em todos os espectros do castanho.


Foi onde encontrei comigo mesma, numa madrugada aleatória de maio. Em meio à pandemia que a cada segundo transforma o mundo, e que transforma a mim também enquanto os minutos passam.
Já é hora de acordar e mal dormi, mas hoje não vou dormir sozinha.

Tenho a mim como companhia.

2 thoughts on “Castanhos

Add yours

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

Te Descrevi

em alguns pensamentos soltos que a cabeça e o coração insistem em discutir - Por: Mauro Garcia

Luk Ank

lukank.com@gmail.com

Pitacos e Achados

Dicas e Pitacos para o dia a dia

Tem Flor

Liberdade é para Ser Livre!

largodoscorreios

Largo dos Correios, Portalegre

life's adventure world.

Solving problems through enlightenment and life experiences, life is short and so are my posts enjoy!

O Caminhante

emeio: o_mensageiro@outlook.com.br

Cachorro Magro?

Cachorro magro não tem fome, tem necessidade.

phenobilities

thoughts on phenomena & (im)possibilities

Devaneios e Poesias

Devaneios, poesias, literatura e cultura geral

EntreContos

Detox Literário.

Conhecer Portugal em família

Visitar todos os concelhos de Portugal, em família.

THE DELAGOA BAY WORLD

Temas de ABM, principalmente Moçambique

Ruas com história

Toponímia em Portugal

Portal de Crônicas

Cá entre nós

Ingrid Osternack Barros Neves

Artista Plástica e Ilustradora

entre conversas e flores

o que é a vida senão um conjunto de pequenas histórias?

%d bloggers like this: