Felicidade

Esta foto é, literalmente, o retrato da minha felicidade. Eu, meu irmão do meio, meu primo mais velho, a nossa avó e a casa. Ah… A casa! A minha casa! É assim que a sinto apesar dela ser muito mais antiga do que eu e nem pertencer mais à nossa família.

Eu amava esse macacão, ele era amarelo, mas um amarelo escuro, e era feito de um tecido que parecia uma toalha de banho, só que mais fininha. O pai sempre dizia que o mundo podia acabar mas que eu certamente estaria com este macacão e com a mão na cintura. Ainda hoje quando me pego assim, acho graça.

A gente tem manias que traz desde criança. Eu tenho pelo menos duas. Uma é por a mão na cintura, a outra é esfregar a mão nos olhos quando quero pedir alguma coisa pra alguém. Tem quem chame isso de dengo, mas eu não sei de nada disso, não.

Meu avô foi um dos primeiros moradores da rua, no tempo em que ela era, ainda, um descampado de chão batido. Todo mundo a conhecia como a casa do Coronel. É perto do Jockey Clube em Porto Alegre, muito brinquei por lá.

Esta casa é testemunha da minha vida, do meu nascimento até os 23 anos. Entre todas nossas idas e vindas, ela era a única coisa que se mantinha constante. Ela era minhas férias, o palco de teatro da minha avó, o porto seguro do meu avô. Me viu crescer, chorar, virou o QG das minhas amigas na adolescência.

Ta vendo aquela casa ali do lado? Ali foi a festinha que a mãe não deixou eu ir e meus colegas gritaram meu nome do pátio a noite toda! Era daí que eu escapava pra ir para o Bar do João, na Av. Osvaldo Aranha, aí que ganhei o roupão rosa pink de aniversário de 15 anos. A minha história está ai em cada tijolo que sustenta esta construção.

Sonho com ela muito seguido. Quando me dou conta, estou lá em um tempo suspenso, uma época indefinida mas é pra lá que eu sempre volto como se houvesse um fio invisível que ligasse uma a outra.

Nesta foto era Verão, íamos pra casa da vó nas férias e ela cometia a loucura de chamar meu primo para passarmos uns dias juntos. Era uma micro célula terrorista e ela sempre se arrependia depois. Guerra de água no pátio, guerra de uvas verdes da parreira do vô, ataque de aviões de papel na sala cheia de bibelôs, era filme de terror.

Meu primo sempre levava os melhores brinquedos do mundo, coleções de playmobil, forte apache, autorama e esta bazuca de bolinhas que ele carrega na foto. A mãe controlava a gente só no olhar, quando arregalava os olhos verdes a gente já sabia que a coisa ia ficar feia, mas na casa da vó, com o primo super-herói que podia tudo e com a mãe longe a gente fazia o diabo!

Toda vez que vou a Porto Alegre, visito minha casa, ainda vive lá o coqueirinho que a vó plantou. Ele tá imenso, ultrapassou a altura da casa mas deve ter ainda meu nome gravado com canivete.

3 thoughts on “Felicidade

Add yours

    1. Dengosa, mimosa, o pai sempre me chamava assim. É como eu disse, acho que faço isso até hoje. Já me peguei fazendo isso várias vezes e sempre é para pedir alguma coisa com dengo. hehehehehe Algumas coisas a gente não perde nunca!

      Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑

Te Descrevi

em alguns pensamentos soltos que a cabeça e o coração insistem em discutir - Por: Mauro Garcia

Luk Ank

lukank.com@gmail.com

Pitacos e Achados

Dicas e Pitacos para o dia a dia

Tem Flor

Liberdade é para Ser Livre!

largodoscorreios

Largo dos Correios, Portalegre

life's adventure world.

Solving problems through enlightenment and life experiences, life is short and so are my posts enjoy!

O Caminhante

emeio: o_mensageiro@outlook.com.br

Cachorro Magro?

Cachorro magro não tem fome, tem necessidade.

phenobilities

thoughts on phenomena & (im)possibilities

Devaneios e Poesias

Devaneios, poesias, literatura e cultura geral

EntreContos

Detox Literário.

Conhecer Portugal em família

Visitar todos os concelhos de Portugal, em família.

THE DELAGOA BAY WORLD

Temas de ABM, principalmente Moçambique

Ruas com história

Toponímia em Portugal

Portal de Crônicas

Cá entre nós

Ingrid Osternack Barros Neves

Artista Plástica e Ilustradora

entre conversas e flores

o que é a vida senão um conjunto de pequenas histórias?

%d bloggers like this: